Sempre.

Só queria desejar a todos os pacientes e amigos meus umas boas semanas à nossa frente. Estamos todos ligados – sempre. E assim tod@s estão no meu pensamento e no meu coração, assim como eu sei que estou nos vossos. Um grande abraço e mantenham a calma e a positividade. Usemos este período como um período de auto-cura e auto-conhecimento, de busca e de evolução, de crescimento e de bem-estar até – porque não?

Procurarei escrever sobre este assunto aqui e acolá, ajudando no que posso, como posso. 

Estamos todos ligados. Mesmo. O meu trabalho prova-o e provou-o milhares de vezes, e quem já o experimentou sabe. É como uma gigante internet biológica. O que sentimos dentro é sentido por outros e outras. Um grande abraço e procuremos ser faróis de luz e de bem estar!! Agora e sempre. Abraço. Helder.

Espalhem O DES-MEDO! – O poder da Informação.

Fala-vos alguém que tem resolvido muitos problemas de saúde que se diziam crónicos ou incuráveis. O poder da Pura Informação e Sugestão no ser humano é inacreditável e demasiado subvalorizada. Somemos a isso um outro poder: o poder inato do medo e do pânico para tomar conta das nossas ações, e nada de agradável pode advir disto. Tenhamos bom senso e comecemos por nós. O medo alastra-se e pega-se facilmente (esse sim) como fogo numa mata seca. Cuidado com o medo!! Sejamos responsáveis, e imitando os avisos dos pacotes de tabaco: ter medo pode matar (literalmente). 

Espalhem o Des-medo. Afinal é apenas uma gripe. Só pode ser mais se nós nos sentirmos vulneráveis, como está a acontecer. Aí sim, é grave. 

Fiquem bem. ❤️

P.S.: para perceberem melhor os efeitos impressionantes da Pura Informação no organismo humano ler o livro Somos Seres de Luz.

 

Amor e Conexão: Uma Questão de Cumplicidade!

Uma boa relação depende de uma boa comunicação e respeito, que gera cumplicidade e conexão. É este o factor determinante na qualidade e amor de uma relação, não as situações de vida particulares, ou outras limitações como é muitas vezes suposto. Isto é demonstrado, por exemplo, por estes casais, em que um dos membros tem verdadeiras limitações físicas, e não são estas, e as dificuldades logísticas sérias que elas pressupõem, que os separa!! O verdadeiro amor existe! ❤️

Uma lição de amor

Como diz este casal, uma boa relação é quando uma pessoa se sente totalmente confortável com a outra. O outro não cansa nem estafa, é um lar para a nossa alma. É bonito ver tanto amor e companheirismo entre duas pessoas, mesmo que aos olhos do mundo este pareça um casal “estranho”. O importante é as pessoas complementarem-se, e é muito lindo quando isso acontece. 

Como ele diz no final, há sempre alguém que gosta de nós como nós somos mesmo, exactamente como somos, com todas as nossas “imperfeições”, e sem termos que fingir ser outra coisa. De facto, não devíamos contentar-nos com menos. Uma lição de amor.

Casos TBI – Tremuras (Tremor Essencial) + Falta de Energia e Desânimo Geral

action adult affection eldery

Eu tenho relutância em pedir testemunhos à maioria dos meus pacientes, apesar de ver resultados fantásticos todos os dias, e que de facto mereciam ser partilhados. Resultados que iriam revolucionar a medicina como a conhecemos, se alguém os estudasse, e presenciasse aquilo que presencio. No entanto sinto que a maioria das pessoas prefere manter a sua anonimidade, e procuro sempre preservá-la. No entanto, de quando em vez, lá peço um testemunho aqui e acolá, e geralmente as pessoas acedem. Tenho alguns testemunhos em video e escritos que ainda não publiquei, mas hoje gostaria de partilhar este, de um senhor que teve a amabilidade de partilhar a sua experiência pessoal, nas suas próprias palavras. Com gosto pela escrita, decidiu escrever-me o seu depoimento, que a seguir partilho. O facto de estar escrito à mão, pelo seu próprio punho, como descreve no seu texto, é só por si um potente testemunho da eficácia desta terapia – isto seria impossível antes de termos começado a nossa terapia!

O senhor sofria, entre outras complicações, de tremuras notórias nas mãos em especial, o que o impedia de escrever correctamente, ou fazer tarefas simples do dia-a-dia como se alimentar. Quando “conectei” com o seu sistema nervoso, era bem notória esta trepidação interna. Trabalhei isto com os meus métodos, com o objectivo de suavizar e re-harmonizar esta trepidação no sistema nervoso, eléctrico e magnético do corpo, o que faço para resolver todos os casos (o sistema nervoso controla tudo no organismo, e re-harmonizando este sistema, re-harmonizamos todo o organismo, ver livro Somos Seres de Luz). Felizmente, desde a primeira sessão que notou diferenças, que se mantiveram e aprofundaram a cada sessão. Em pouquíssimas sessões já não se sentia trémulo, e podia fazer as atividades que antes lhe pareciam impossíveis.

Como disse, isto é apenas mais um caso ilustrativo, de maneira nenhuma único. Gostava que as pessoas percebessem que isto se trata de uma nova ciência e medicina, que de facto vai à raíz de muitos problemas que não encontraram solução por outros métodos, mesmo na medicina convencional, como era o caso com este senhor também.

Já agora, e porque ele menciona pessoas rirem-se quando ouvem falar deste método (enquanto outras aceitam), eu sugiro que pessoas mais céticas ou críticas venham primeiro experimentar, ou melhor ainda seguir e estudar de perto estes métodos em ação uma e outra vez, antes de criticar. É fácil agarrarmo-nos aos nossos dogmas e crenças estabelecidas, e desdenharmos coisas que não entendemos à partida; é muito mais difícil (mas muito mais correcto e nobre) estarmos abertos, sabermos que não sabemos nada do assunto, e ir ver, analisar, perguntar e, de forma aberta, observar antes de se tirar conclusões. Foi isto que fiz durante anos, o que me levou a um entendimento claro e profundo de algo que parece mágico ou misterioso, e a conseguir os resultados fantásticos e que mudam e já mudaram tantas vidas. É assim, penso eu, que se avança realmente, não com críticas fáceis.

Segue a transcrição do Testemunho, e o original. Muito obrigado.


“DEPOIMENTO

Gerado de uns pais já com uma certa idade – pai com 40 anos e mãe com 31 – nasci após um longo e difícil parto.

Como se isso não fosse suficiente, vim ao mundo com espinha bífida e ancorada e com um lipoma do meningocelo (lipomeningocelo), que me foram descobertos aos 34 anos de idade, devido aos tratamentos de quimioterapia a que fui submetido para combater um linfoma linfocítico difuso de grandes células com citoplasma claro (classificação de Lukes e Collins), conforme o resultado do exame histológico efectuado pelo Laboratório do Senhor Professor Doutor Joel Serrão.

Este Linfoma foi-me diagnosticado no ano de 1986, altura em que o meu historial clínico começou a complicar-se.

De entre as complicações posso destacar o acordar muito cansado e cheio de dores no corpo todo, o muito cansaço durante todo o dia, desânimo, falta de energia e uma cada vez mais acentuada tremura nas mãos (tremura ou trémulo essencial), ao ponto de, inúmeras vezes, querer escrever e não conseguir, não ser capaz de comer uma colher de sopa, um garfo de arroz, ou de beber um copo de qualquer bebida, etc.

Recorri a neurologistas em busca de cura ou melhoras para este trémulo, mas os resultados foram nulos.

Ouvi falar no Senhor Doutor Helder da Cunha Pereira e nos seus métodos novos, mas com óptimas referências de eficiência.

Como sou uma pessoa receptiva às inovações tomei a decisão inabalável de a ele recorrer, com vista a uma cura ou, pelo menos, minorar o mal-estar.

Não foi fácil conseguir a marcação da consulta, tão sobrecarregado está a agenda do Senhor Doutor Helder.

Fui à primeira terapia.

Ao fim, sentia-me relaxado, leve, leve como uma pena, a cabeça limpa.

Mas, o que mais me admirou e regozijou foi não tremer nada das mãos.

No entanto, tinha sido alertado para o facto da tremura poder reaparecer, pois uma só terapia não seria suficiente para erradicar o trémulo.

O certo é que esse bem-estar se manteve durante a semana seguinte e nas outras duas que antecederam a nova consulta o trémulo voltou, mas quase imperceptível.

Daí para cá tenho melhorado a olhos vistos.

Até os meus amigos ficam admirados com tamanha mudança. Alguns perguntam-me se ando a tomar medicação, e quando lhes respondo que não, que estou a fazer terapia de bioenergia e do que consta, há os que aceitam e os que se riem.

Mas o certo e a verdade é que eles conheceram-me antes e estão a ver-me agora.
E mais verdade é que não tomo qualquer medicação para as tremuras.

A prova é que este depoimento já foi escrito pelo meu punho.
Posso afirmar que estou mais leve, mais solto, mais dinâmico e muito mais enérgico.

Viana do Castelo, 2020-01-23

António Gonçalves”


EPSON MFP imageEPSON MFP image

Ansiedade e Stress (Parte I): Como Começa a Ansiedade

“A vida não é fácil.”

Haverá pouca gente que nunca tenha dito esta frase nalguma parte das suas vidas, se viveu suficientes anos. E porquê? Porque parece inevitável que, como seres humanos, mais cedo ou mais tarde, um peso e uma prisão se acumule em nós, um peso que “nos deita abaixo” e nos faz “arrastar pela vida”.

Eu discuti a raíz e a aparente inevitabilidade do sofrimento humano no meu livro “Somos Seres de Luz – A Arte e a Ciência da Terapia em Bioenergia e Informação”, mas gostaria de ser mais específico (e pessoal) em relação a uma aflição concreta que atinge cada vez mais pessoas hoje em dia – o stress e a ansiedade. Quero dar a conhecer o que aprendi sobre o tema após já quase 20 anos de estudos, prática e experiência pessoal íntima do assunto, numa série de artigos.

E gostaria de começar por uma confissão:

Sofro de ansiedade crónica. Há muitos anos. E é uma aflição muito chata, e pouco entendida. Agora compreende-se um pouco melhor do que no passado, quando comecei, pois cada vez mais pessoas são “atacadas” por ela, quando antes parecia ser um mal de alguns mais “neuróticos” ou “sensíveis”.

Mas como disse, antes de explorarmos o que é e os porquês da ansiedade, e o que podemos fazer para a ultrapassar, pensei em começar por contar um pouco da minha experiência com este estado ansioso do ser humano.

Como Começa A Ansiedade

woman looking at sea while sitting on beach

A ansiedade ou stress crónico é um estado de tensão e nervosismo interno que é mantido durante muito tempo. O corpo (e a mente) nunca relaxam completamente. Toda a gente experiência períodos de stress ocasionais, de maior desafio ou dificuldade na vida, mas muitas vezes esses períodos são temporários, de umas horas ou uns dias. Logo após, a pessoa volta, mais ou menos facilmente, a um estado base de maior harmonia e calma interna, o que a permite re-harmonizar o corpo e a mente.

Em casos de stress ou ansiedade crónica, no entanto, este retorno à “normalidade” não acontece. O stress não é libertado ou dissolvido, mas vai acumulando. É como um carro a puxar demais pelo motor, que nunca desacelera completamente. O “normal” passa a ser um estado mais acelerado. E isto é negativo para o sistema, como seria para o motor de um carro (iremos explorar melhor os detalhes técnicos num próximo artigo).

A minha ansiedade começou, como em muitos casos, com um episódio traumático intenso específico. Muitas pessoas que sofrem com ansiedade recordam um “ataque de pânico” específico, que aconteceu aparentemente “do nada”, ou um outro episódio traumático e stressante qualquer que marca um antes e um depois nas suas vidas. Desde essa altura ficam bem mais ansiosas para a vida no geral. Estes episódios têm várias características comuns particulares, nomeadamente serem muito intensos, não esperados, com a sensação de que se vai morrer, sair do corpo, etc., e uma sensação de perda de controlo do corpo e da mente. Se bem que esta parece ser a causa primária da ansiedade, eu percebi que existe já uma predisposição para isto em termos de um sistema nervoso mais debilitado ou sensível, e que fica por isso muito mais vulnerável a este tipo de episódios (felizmente tudo isto é erradicável, como iremos ver).

Assim, e no meu caso, uma mistura de muita sensibilidade e intensidade interna levaram-me a ter este tipo de experiências, e a acumular ansiedade, em vez de se dissipar. É potente. É intenso. É assustador. Já ultrapassei muito é verdade, com o que fui aprendendo. Só o facto de eu poder estar aqui a escrever/falar sobre isto significa que já ultrapassei pelo menos uma parte da minha intensidade. Por muitos anos não podia sequer falar do assunto: simplesmente mencioná-lo causava-me sintomas em tempo real – começava a tremer, a suar, a ficar nervoso, com vertigens e a sensação de que ia desmaiar. As pessoas geralmente não notavam, mas as sensações eram horríficas. Estou certo que muita gente pode relacionar-se e entender o que estou a dizer…

Eu Entendo…

love romantic bath candlelight

Eu sei, aliás, que muita gente pode de facto entender e testemunhar o que digo pois, ironicamente, eu trato e tratei muita gente, de forma eficaz, para este tipo de problemas, exactamente como os meus. Às vezes sofria eu mais do que os meus pacientes, e mesmo assim conseguia ajudá-los. E isto foi uma outra coisa que me custou muito engolir: como conseguia “salvar” outras pessoas neste estado, de forma tão eficaz e rápida (com os métodos de Terapia em Bioenergia e Informação, ou TBI) que descobri e uso – pessoas que já haviam, como eu, procurado e tentado de tudo, que sofriam de tonturas, péssimo sono, cansaço e dores crónicas de anos, cansaço mental, limitações na vida diária, etc. – como era possível que eu as conseguia pôr tão bem e eu continuava a ter os mesmos sintomas? Os meus pacientes passavam a dormir bem, a andar calmos, estáveis, e eu continuava na mesma…Confesso que cheguei a sentir inveja ao vê-los assim, tão bem, se bem que também ficava feliz, claro, por poder ajudá-los. Mas foi difícil aceitar esta parte. Mas depois de muitas tentativas, tive que aceitar e perceber que uma coisa era ajudar os outros, outra coisa completamente diferente (e mais difícil) é a auto-ajuda. Percebi que os mesmos métodos incríveis, revolucionários e milagrosos que ajudam os outros de forma tão eficaz, não servem como auto-ajuda (isto tem as suas razões também, que poderei explorar mais tarde também), e daí a minha busca continuada para uma resposta.

Sempre à Procura…

person holding compass in forest

Procurei pessoas, soluções, e usei dezenas, se não centenas, de métodos ao longo de 20 anos. Tudo funcionava durante uns tempos, mas após alguns dias ou semanas “deixava de funcionar”. Assim, a busca era incessante, sempre à procura da próxima coisa que me iria curar. Havia um entusiasmo inicial – é verdade, descobri coisas incríveis mesmo – mas depois voltava-se à estaca zero. Voltava a irritabilidade, o stress, o nervosismo, os sintomas, as más noites de sono… O que me escapou, todos estes anos, é aquilo que a ansiedade crónica consegue tapar, e como nos engana: que a própria busca incessante, o “stress de ter que eliminar o stress”, mantém e exacerba o problema.

Um exemplo: eu pensava que tinha muitos problemas diferentes – digestivos, nervosos, da visão, da cabeça, musculares, etc. – mas na verdade tudo isto é só um problema. Como eu costumo dizer aos meus pacientes: só existe uma doença verdadeira e de raíz no ser humano: stress ou tensão crónica no sistema nervoso, daquela que não relaxa. Tudo o resto – mesmo tudo – é um efeito desta tensão. É por isso que, libertando este stress do sistema nervoso (como eu faço com as minhas Terapias  TBI/BIT), o sistema nervoso e o organismo voltam ao normal, e tudo passa a funcionar como deve ser. Assim, neste estado de equilíbrio e homeostase, o corpo regenera-se naturalmente, uma vez que os impulsos nervosos fluem desimpedidos e livres. Os métodos de TBI que uso fazem isto extremamente bem – nas outras pessoas, lá está -, libertando-as de todo o tipo de sofrimento – seja ele físico (como dores musculares, problemas de orgãos, cabeça, etc.), ou emocional / psíquico (como traumas, medos, fobias, depressões, problemas relacionais, etc.). Não há sintoma, na minha experiência, que não possa ser aliviado com estes métodos, mesmo os mais graves e profundos, que resistiram a décadas de tratamentos médicos convencionais e alternativos. E isto é uma coisa que muitas poucas terapias podem afirmar…

Mas uma coisa é tratar os outros, outra é a nós mesmos. Estes mesmos métodos interpessoais eram ineficazes em mim. E eu tentei… se tentei! Tentei, tentei, tentei. Durante 20 anos – os últimos 10 com muito mais consciência e afinco -, procurei respostas. Procurei variantes, conjugar técnicas, criar técnicas. Estudei, apliquei, viajei, perguntei, consultei. Como já disse, nada nunca criou resultados consistentes e permanentes, como via, tão claramente (e rapidamente) nos meus pacientes. Era frustrante! Mas isto é a ansiedade a enganar-nos; aí está a grande armadilha da ansiedade crónica mais uma vez: quanto mais lutas contra o problema, mais o exacerbas. Ela fazia-te continuar a busca, como quem alimenta um fogo com mais lenha, ou faz com que um cão que nos mordeu e segura a perna aperte ainda mais por nos tentarmos libertar e puxarmos. E isto é muito importante entender, e a primeira chave para finalmente se sair do ciclo vicioso (é isto tudo que iremos explorar nos próximos artigos).

A Chave Mestra

light bulb and keys on table

É importante perceber, para já, que o sistema nervoso é o que controla tudo no nosso organismo (mente e corpo), desde os processos mais elementares submoleculares, aos mais óbvios e macroscópicos. E o sistema nervoso só pode estar em dois estados fundamentais na verdade: ou está tenso, ou está relaxado. Um estado tenso é nefasto quando prolongado para além do estritamente necessário. Infelizmente, e nesta sociedade em que vivemos, muitos de nós vive, pelas mais diversas razões, num estado de ansiedade quase permanente, e nunca ninguém nos ensinou sobre isto, nem como relaxar. Muito pelo contrário – este estado é quase incentivado pela insegurança criada e mantida na nossa sociedade. Vivemos aos trambolhões neste sentido. Os nossos pais não aprenderam, e também não nos ensinaram. Somos completamente iletrados neste aspecto, frutos de uma sociedade virada à produção e ao “progresso” (uma visão também ela derivada de sistemas nervosos num estado tenso, excitado e de alerta), abalroando as pessoas, e as emoções mais sensíveis, pelo caminho. Mas isso é um outro tema.

Para já, e se este assunto vos interessa, continuem ligados. Sei que é, de forma demonstrada, um problema crescente das sociedades modernas industrializadas, uma epidemia de stress crónico. E é este stress crónico que leva, de forma demonstrada também, a todo o tipo de doenças e disfunções (para não falar em falta de alegria e paz nas vidas das pessoas), como dores crónicas debilitantes – que eu sou capaz de aliviar numa sessão com a TBI porque sei aliviar a tensão nervosa do sistema nervoso -, problemas de estômago/digestivos, problemas do sono, depressões (já levantei depressões pesadíssimas, que pareciam até impossíveis à partida), hábitos destrutivos como vícios e compulsões (já erradiquei vícios e compulsões, libertando as tensões nervosas que levavam a estes comportamentos), problemas relacionais no trabalho e família (já consegui suavizar muitas relações simplesmente suavizando o sistema nervoso de uma das partes), etc., etc., etc. – enfim, como disse e percebi com anos de estudo e prática destas abordagens em mim e nos outros, todos os problemas e sensações desagradáveis que sentimos no nosso corpo, mente e vida advêm apenas de um sistema nervoso em modo de ataque e sobrevivência, e sabendo como libertar isto, sabemos como libertar todos os problemas das nossas vidas. É uma coisa incrível de se saber e testemunhar – o alívio do sofrimento de outra pessoa desta forma tão bela e sofisticada – mas notei, com muita pena minha, como muito pouca gente entende, quer entender, ou está aberta a aprender mais sobre este entendimento e modo de curar. Mas isso também é fruto de sistemas nervosos tensos e em constante modo de defesa e ataque, cheios de medos irracionais. Mas isto também é outro tema.

O tema aqui é como conseguir libertar esta tensão crónica por nós mesmos, em nós mesmos. Em termos de auto-ajuda não é tão fácil como com a aplicação das TBIs, mas vou procurar ensinar aquilo que aprendi, e que me ajudou e ajuda – para ajudar também quem precisa.

“Gostava de ser completamente vulnerável contigo.”

8AF1DE63-D1D0-4C73-B9C6-070505CA4B51Os males do mundo vêem da falta de confiança que temos uns nos outros. Todos precisamos de segurança. É um requisito biológico essencial do ser humano, e dos mamíferos no geral. Se não não conseguimos funcionar direito, e todas as doenças advêm de se viver inseguro na vida. Cada vez está mais difícil confiar. No entanto, apenas a total e verdadeira confiança cura.

É uma arte esquecida, e é a única coisa que leva à bela e profunda conexão entre as pessoas, que é o que toda a gente verdadeiramente quer. O mundo precisa de mais amor verdadeiro / conexões profundas. Eu vejo muita gente de coração partido no meu consultório.

Queres conectar comigo?

Partilha com um verdadeiro amigo(a)!

Produzir Sorte

C4767C9A-F9B5-4F18-A7B5-051CED21AB3F.png

Fiquei fascinado ao descobrir que até a sorte depende do nosso estado interior: estudos descobriram que as pessoas que se consideram sortudas encontram, de facto, muitas mais oportunidades benéficas do que as que acreditam ser azaradas! Apenas mostra, de novo, o poder do nosso estado de espírito nas nossas percepções e experiências.

Nos poucos dias em que testei isto, pareço ter um pouco mais de sorte de facto…😀como encontrar um lugar para estacionar perto do meu trabalho!  Interessante.

Pensa em ti como, e sente-te, uma pessoa de sorte e quem sabe o que podes encontrar?  

Muda o teu estado interior = muda a tua vida. Pode ser um trabalho árduo, mas vale bem a pena.

A Terapia Energética de um Gato a Ronronar

E ainda dizem que não somos seres energéticos!

Quem já experimentou ter um gato a ronronar e adormecer no seu colo e não se sentiu relaxar ao mesmo tempo? Ou um bébé a adormecer no colo e sentir o mesmo relaxamento? É palpável…

Ou quando vamos de viagem num carro ou autocarro e o doce “embalar” da viatura nos acalma e nos faz adormecer. Tudo isto são oscilações que nos relaxam, porque todo o nosso corpo (e mente) vibram, são energéticos.

Ou a música, a dança, correr, um abraço

É com esta mesma vibração, e comunicação vibracional, que as Terapias em Bioenergia e Informação funcionam, quer seja por resonância sem toque, ou por um toque rítmico suave. E os resultados, para além de um relaxamento profundo, são fantásticos, como se pode ver.

NASA-HS201427a-HubbleUltraDeepField2014-20140603

Milagres Todos Os Dias

back-pain-3318065_960_720Imagine que uma senhora entra no seu consultório queixando-se de dores na lombar, na anca e na coxa esquerda (…ou num joelho, ou nas costas, ou no pescoço, ou na cabeça, ou num braço, ou com aperto no peito, ou a sofrer de depressão, ou luto, ou com um trauma, etc., que são tudo casos que recebo). A história desta senhora é mais ou menos esta: tem esta dor há vários meses ou anos. Começou por uma dor de costas ocasional. Também lhe doía os ombros e cervical de vez em quando, mas a dor no fundo das costas era a pior. Entretanto, há 6 meses atrás, essa dor lombar agravou muito, e começou a “espalhar-se”, começando a doer a anca esquerda, e “a descer” pela perna, criando uma dor sempre que está a pé ou a caminhar. Fica cansada num instante e, de facto, não consegue estar muito tempo de pé, e muito menos caminhar longamente.

Nestes últimos 6 meses, desesperada, a senhora já percorreu tudo para a ajudar. Foi ao médico, a um osteopata e a outros especialistas. Receitaram-lhe uns exames à coluna. Acusou duas hérnias na zona lombar. A dor vem daí – diagnosticaram. Tomou as medicações receitadas mas a dor não passou; fez várias sessões de fisioterapia mas não ajudaram, fez massagens e acupuntura e nada. Nada parecia resultar. Uma operação à coluna parecia ser a única opção disponível, que a senhora preferia evitar. E é aí que, desesperada, ouviu falar de mim e decide entrar-me pelo consultório adentro, tendo já ouvido falar de outros “milagres”.

Durante a sessão pergunto onde dói, desde quando, etc. Verificamos que de facto a dor está lá, mesmo sentada. Mas a pé dói mais, as costas, e caminhando um pouco ou abaixando-se então é que dói (as costas e perna). A senhora, de resto, tem já os seus 70 anos. “É da idade”, dizem os entendidos, familiares e amigos. “É normal”, dizem. Não é nada normal, nem é da idade…mas isso fica para uma outra publicação.

Tendo identificado bem os sintomas e os gatilhos que os despoletam, começo então o meu trabalho. Foco na dor, com os meus métodos, procurando libertar todas as tensões (nervosas – ou energéticas, que é o mesmo) que estão a provocar as contrações crónicas dos músculos, que levam às dores e às distorções que estão sempre presentes. Sinto algum alívio. Continuo, até ficar satisfeito de que de facto houve um alívio considerável no corpo, e nas zonas a tratar. Então pergunto-lhe: Como está agora? Levante-se e veja. Reacção típica: “bem, parece que estou melhor”, diz-me, espantada. “Está diferente é?”, pergunto. “Sim, já não me dói tanto”. Peço-lhe para testar bem, para caminhar e se baixar/dobrar para ver. “Sim, está melhor”, “só tem aqui um bocado ainda quando faço este movimento particular”. “Ótimo”, disse, “vamos então continuar e tirar esse bocado”.

Nada mal para 5-10min de trabalho energético, que não doeu nada! Normalmente as pessoas não sentem estes alívios tão rápidos e tão simples em mais nenhuma terapia, e seguramente não nos primeiros minutos, e de forma tão fantástica – sem toque, diálogo ou manipulação de qualquer espécie. Por isso ficam espantadas.

Repito então o mesmo processo para o resto das queixas que ainda se manifestam, testando sempre ao longo do trabalho. No fim da consulta a senhora sai claramente aliviada. “Vou mais leve sim”. Não só aliviei completamente as dores de costas, anca e perna, como ainda dos ombros e cervical. Sente-se bem. Pergunto para testar bem. “Sim, agora não me dói nada”. Explico que este resultado pode ser permanente, mas também podem ser necessárias mais algumas sessões para tirar alguma tensão que ainda tenha ficado. É como afinar um motor: todas as engrenagens têm que ficar alinhadas, e pode ser que alguma ainda não esteja completamente “no sítio”, e isso se manifeste ainda. Só o dia-a-dia o dirá. Assim, marco de novo para dali a umas semanas para ver como corre. Geralmente, numa segunda sessão, estão melhores. Alguma dor específica nunca mais voltou por exemplo, mas pode ainda haver alguns nós para tratar. O alívio é equivalente no fim desta segunda sessão, e cada vez dói menos. Assim se vão acumulando os benefícios – até que não sobra nada. Normalmente resolve-se tudo em 1 a 5 sessões (vá, 7 máximo), dependendo do estado do problema, e o alívio é permanente.

Milagre!

02D8B156-CB1A-4F1F-A33C-82621F5BE4A2Este exemplo concreto é típico dos casos que recebo, e parece até um “milagre” ou “magia”, principalmente pela forma como o alívio da dor foi conseguido. Mas não é. “Milagre” é o nome que se dá a um fenómeno natural para o qual as pessoas simplesmente ainda não têm explicação na altura em que o presenciam. Eu, contrariamente, tenho uma explicação objectiva, lógica e concreta para isto, porque o estudo e pratico há muitos anos e de uma forma profunda. Por isso sei que não é um milagre – é ter o conhecimento certo, e saber aplicá-lo. É claramente uma Ciência e uma Arte ao mesmo tempo. Exactamente como uma Engenharia: sabendo como funciona, os resultados são de confiança.

Como disse, o caso que relatei é típico. É raro uma pessoa não sair aliviada. É verdade que também tenho casos que parecem não responder bem a este tratamento, mas felizmente são raros – uns 10-15%, diria, dos que não levam nenhum alívio aparente. Também é verdade que muitas vezes são necessárias algumas sessões para aliviar totalmente este, ou outros sintomas que entretanto vão aparecendo – as chamadas “camadas” – ou outras quaisquer queixas que a mesma pessoa tenha. É um tratamento holístico, profundo e completo, que não trata apenas os sintomas, mas rejuvenesce a pessoa no seu todo – como olear e afinar o motor interno do organismo, como disse.

Por outro lado, vários casos complicados que tratei – como depressões, traumas, dores crónicas ou agudas – foram de facto aliviados completamente numa única sessão. Também aconteceu várias vezes, e até a mim me surpreende ainda, por vezes, a rapidez e eficácia destes métodos. O que parece escapar às pessoas é que isto é um processo específico e concreto, e que os resultados não aparecem “por milagre”, mas por um trabalho definido, consistente, replicável e previsível, que são qualidades de uma Ciência e de uma Engenharia. No geral, de uma forma certa, sequencial, cumulativa, e segura, o problema fica resolvido de forma duradoura e permanente até. A pessoa nunca mais será a mesma. Ou dito de melhor forma: a pessoa livrou-se, em algumas sessões, de uma carga nervosa acumulada durante toda uma vida, e por isso pode finalmente ser ela própria, livre e feliz novamente. Ser, até, como nunca o foi verdadeiramente até ali. É este o poder desta terapia, e é isto que os meus pacientes me reportam.

Manter A Mente Aberta

76812722_169062020823623_7632575843138946598_nPorque relato isto? Porque me espanta não se estudar mais estas incríveis possibilidades. Espanta-me de facto, ao longo destes anos, não aparecer mais gente entusiasmada com estas possibilidades, a querer realmente saber mais, aprender, estudar e divulgar. É verdade que vivo numa cidade pequena, num meio pequeno, e que a maioria das pessoas querem é ficar bem e andar para a frente. Se calhar numa grande cidade – ou noutro país – poderia ser diferente. De qualquer maneira, parece-me que há sempre medo, uma ignorância e uma resistência em relação a estes temas, e não entendo bem porquê.

Mas existem várias razões para que assim seja, acredito. Muitas destas desconfianças até entendo. Afinal, sempre houve charlatães e pessoas a dizer que fazem o que não fazem. Sempre houve e sempre haverá.

Mas: e se alguém faz mesmo? E se, em vez de ficarmos agarrados a dogmas antigos (o que é mais fácil), mantivermos a mente aberta, procurando aprender sinceramente mais, e ver de facto se realmente é ou não é verdade o que se diz? Podemos – e devemos – ser críticos, mas manter-nos também, ao mesmo tempo, abertos a possibilidades até ali “impossíveis”, o que é muito mais produtivo, pois só assim se avança. Por outro lado, vejo muitas opiniões formadas e julgamentos fáceis, e pouca abertura para aprender coisas realmente novas.

No meu caso, foi precisamente através desta abertura – mantendo ao mesmo tempo uma análise crítica, científica e objectiva – que cheguei a este nível de entendimento e de aplicação prática, e sei que qualquer pessoa que se dedique sinceramente a aprender fará o mesmo (sonho com um mundo de terapeutas energéticos informacionais em cada esquina e família!). Isto são processos naturais, universais, e fazem parte da natureza humana – para quê tapar o sol com a peneira? Ainda por cima quando são tão tão úteis à vida das pessoas… Imaginam a quantidade de vidas que estas terapias já mudaram? Centenas! Às vezes encontro pacientes que não vejo há anos e ficam sempre felizes por me ver, contando-me encantados como as suas vidas mudaram completamente desde o nosso trabalho. Estão outras pessoas! Tudo mudou! E muitas vezes foi só com uma ou duas sessões! (intensas, mas boas :)). Ainda hoje recebi um telefonema deste género…

Filtros de Percepção

O ser humano tem certos viés de pensamento (ou filtros inconscientes automáticos) que o fazem ignorar certas informações automaticamente. Isto está estudado, como o chamado “Confirmation Bias“, em que normalmente e compulsivamente nos fechamos a qualquer informação que contradiga as nossas crenças mais profundas e inconscientes. Experimentem dizer a um adepto de um clube de futebol ferrenho, por exemplo, que o seu rival é o melhor! A reação que observarem é o Confirmation Bias em acção. Todos sofremos disto, não há exceção.

Além deste aspecto, todo o conhecimento que passa para além do nosso radar de percepção e entendimento é simplesmente ignorado ou desprezado pela nossa mente, levando a um “oh, isso é treta! Eu não acredito nessas coisas”. É informação que simplesmente não é assimilada pelo nosso cérebro, que ele simplesmente não consegue discernir, porque sai completamente fora dos seus padrões e limites de referência. Não encaixam. Estes são mecanismos entranhados e automáticos da mente humana, e é preciso um certo grau de “loucura” e “pensar fora da caixa” para realmente os poder ver.

Certas tendências culturais também não ajudam, pois incentivam a desconfiança e o medo. Foram séculos de má-informação, opressão e medo. Como eu costumo dizer, em muitos aspectos, ainda vivemos com a mentalidade da idade média. O ser humano não mudou assim tanto. Eu é que devo ter vindo de outra galáxia, ou talvez do futuro! 🙂 Isto porque, quando vi alguém demonstrar estes mesmos métodos fantásticos de alívio do sofrimento, não os rejeitei à partida, mas quis logo saber mais, muito mais, e por isso estudei, pratiquei e aprendi. E verifiquei que também podia fazer os mesmos “milagres”.

Que mais estará escondido nas possibilidades do Universo?

Talentos Escondidos

sunset-4385923_1280E você, já tentou? Que talentos terá escondidos que não conhece? Só saberá se tentar, não é? A minha “loucura” está talvez em ter tentado aquilo que ninguém acreditava que era possível, e descobrir que de facto é. Algo em mim dizia que havia ali algo de real, e quis tentar e procurar ver se era verdade. Quantas surpresas, que o seu coração conhece no seu íntimo, estarão igualmente à sua espera, e não desperta os seus dons ou aptidões mais profundas simplesmente por ter medo de tentar?

Faz-me lembrar um anúncio de televisão que vi há muitos anos atrás: um grupo de amigos jogava aos dardos num bar. Um deles atira com tal precisão, que o dardo caiu incrivelmente perto do centro do alvo. Só um milagre poderia fazer com que o seu jogador oponente ficasse mais perto. Assim, este pareceu desistir, desolado, e todos abraçaram o vencedor e dirigiram-se para longe do jogo, em direcção ao bar. O seu rival, desanimado, atira na mesma o seu último dardo. Incrivelmente o milagre acontece mesmo – acerta mesmo no centro do alvo! Incrédulo e feliz, olha à sua volta para ver a reacção das pessoas, só que já ninguém o estava a ver, todos seguiram o vencedor. O lema final do anúncio (de uma cerveja, penso eu!) era algo do género: os verdadeiros milagres acontecem, mas passam desapercebidos, ou poucos se dão conta deles.

Mas acredite, os “milagres” (isto é, novas e insondáveis possibilidades) existem e são possíveis, e estão a acontecer a toda a hora, a gente é que não lhes dá a devida atenção. É, no entanto, sonhando e experimentando algo nunca antes experimentado que o mundo avança. Em particular, e na minha área, existe uma tecnologia impressionante de alívio de sintomas físicos, emocionais e psicológicos de forma rápida e eficaz.

Afinal, já estamos no Século XXI: se tudo avançou tanto em tantas vertentes, porque não é mesmo no alívio de dores e sofrimento?

Na verdade, estas possibilidades não são “milagres místicos e misteriosos” – são fenómenos naturais que estão só à espera de serem des-cobertos, da mesma forma que a comunicação por telemóvel, a televisão, os aviões e afins estavam apenas à espera de serem descobertos. Mais e melhor é realmente possível, e eu já provei isto centenas, senão milhares de vezes. Está aí para quem quiser observar. Não é nada de tenebroso ou misterioso. Só é preciso entender. E eu explico-o bem no meu livro, da melhor forma que conheço, para quem quiser aprender. Não só como isto das “Terapias em Bioenergia e Informação” funcionam, mas também explico os mecanismos internos que de facto nos levam ao sofrimento (não é o que pensamos que é) – para realmente deixarmos de sofrer de forma rápida, natural e eficaz. É outra cultura.